domingo, 21 de junho de 2009

Aborrecimento

A brisa passa-me ao lado. Esvoaça-me um ou outro cabelo, nada mais.
Observo o que se passa no mundo, pessoas, bichos, folhas, ar, terra, água, fogo.

Tudo isto me passa ao lado.

O sol vai-se pondo, devagar até ao horizonte, aí perdurando por momentos para que eu o possa observar e lamentar os laranjas, cor-de-rosas, vermelhos e roxos.
A noite chega com mais uma oferenda, azul escuro e alguns pontos brilhantes a enfeitá-lo.
Observo o que se passa no mundo, pessoas, bichos, folhas, ar, terra, água, fogo.

Tudo isto me passa ao lado.

A noite passa abrindo caminho para o novo sol. Os dias passam, as noites também. O verão, o outono, o inverno, a primavera. Estações rolam umas por cima das outras demonstrando a passagem do velho tempo.
Observo o que se passa no mundo, pessoas, bichos, folhas, ar, terra, água, fogo.

Tudo isto me passa ao lado.

O meu corpo continua aqui sentado, cotovelo pousado no joelho, queixo na mão. A observar.
A brisa passa-me ao lado. Esvoaça-me um ou outro cabelo, nada mais.
Aqui procurei, observei e procurei, vi noites e dias a passarem, estações a mostrar as suas emoções, nada encontrei.
Pessoas brincam, folhas caiem, bichos caçam. A Terra move-se no seu ciclo interminável, ou não.

São os momentos que passam de mão dada ao tempo. São as emoções que flutuam procurando um lar. É o nariz que funga de pouco contentamento. São as costas que se queixam da posição adoptada algures no tempo passado. É o coração que vai bombeando mais devagar sem algo que o impila a mover-se.
Os olhos são poços secos que choram o que não têm.


Levanto-me, caminho pelo há muito observado, pessoas, bichos, folhas, ar, terra, água, fogo.
A brisa passa-me ao lado. Esvoaça-me um ou outro cabelo, nada mais.

Tudo isto me passa ao lado.

Caminho de volta ao mundo, o tempo passou. Sento-me numa mesa algures distante e bebo um café.

Gosto amargo.

4 comentários:

  1. Olá Beatriz

    É só para avisar que tens um prémio/selo é tua espera no meu blog...

    :)

    ResponderEliminar
  2. Confesso que gostei muito. Parece-me haver aí uma distracção da realidade, tão distante de nós por vezes, tão insignificante.

    O final foi óptimo.

    ResponderEliminar
  3. Eu partilho da opinião em cima apresentada. É uma abstracção plena da realidade, que conforta e cria um mundo só nosso.
    E o café, vale bem a pena.

    www.headbanginghurts.blogspot.com

    ResponderEliminar
  4. Olá!

    Passámos pelo teu blogue.

    Pelo que vimos és o tipo de pessoa que procuramos.

    Temos um fórum de discussão e uma webzine literária online: são espaços abertos à discussão saudável sobre livros, escrita, por aí…
    Achamos que também tens algo a dizer.

    Deixamos-te os links, passa por lá, deixa a tua marca e passa a mensagem!

    http://lit-zine.blogspot.com – webzine literária

    http://www.topfreeforum.com/litzineforum

    ResponderEliminar